Quem acompanha as matérias do TDelas durante a semana já deve ter prestado atenção que, em muitas questões de saúde, as mulheres acabam ficando suscetíveis a determinadas doenças devido à presença dos hormônios femininos – estrogênio e progesterona – em seu organismo. Até em relação à rinite, as mulheres “prejudicadas” pela frequente variação hormonal! Mas será que os hormônios são somente vilões, fazendo com que as mulheres tenham mais predisposição para várias doenças?

Não é isso que os especialistas dizem. Eles até defendem os hormônios femininos, garantindo que, apesar de exporem as mulheres a algumas doenças, também protegem de outras. “Para comprovar isso, basta lembrar que, no geral, os homens têm um tempo de vida menor do que o das mulheres em torno de 7,6 anos”, avalia a endocrinologista do Hospital Vita Daniele Zaninelli.

Segundo ela, os hormônios ainda protegem mais as mulheres de doenças ósseas e cardiovasculares. “Os homens são mais acometidos por doenças como o infarto do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC), e também por outras, como pneumonia, cirrose e diabetes”, afirma. E o mais importante: determinam as fases da vida da mulher, regulando o humor e a libido e também preparando-a para a gestação.

Por sua vez, as mulheres são mais propensas a doenças autoimunes, como alterações na tireoide, lúpus, artrites e asma. Também são mais vulneráveis a doenças reumáticas, como a osteoporose e a fibromialgia. Apesar de tudo isso, a também endocrinologista Juliana Janz Laibida acredita que os benefícios sejam maiores do as desvantagens trazidas pelos hormônios femininos.

“Não os vejo como vilões, pois, depois que a mulher fica sem eles, na menopausa, a situação é muito pior”, comenta. Quando esta fase chega, as mulheres têm as mesmas chances de desenvolverem as doenças típicas dos homens, ficando mais vulneráveis. “E os quadros de depressão também aumentam”, completa Juliana.

E as disfunções hormonais também podem ser terríveis para as mulheres, trazendo uma série de transtornos para a sua qualidade de vida. Um dos principais distúrbios é a síndrome do ovário policístico. “Este é um caso de aumento do hormônio masculino, o androgênio. Com isso, há um amento na quantidade de pelos, acne e deposição de tecido no abdômen”, explica. Esta e outras doenças devem ser diagnosticadas e tratadas por especialistas.

Fonte: Paraná Online