41 3121.1001

41 99121.1001

Áreas de Atuação

Como hormônios femininos determinam as fases da vida da mulher?

*Por Daniele C. Tokars Zaninelli

As mulheres nascem com milhares de folículos ovarianos que ficam "adormecidos" até que, através do estímulo do hipotálamo, passam a se tornar "maduros". Os hormônios femininos, estrogênio e progesterona, são produzidos nos folículos ovarianos sob o controle de uma outra glândula, a hipófise, que através da liberação dos hormônios FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante) vai comandar toda a variação nos níveis desses hormônios em nosso organismo, determinando as diferenças que ocorrem em cada fase da vida da mulher.

A puberdade é um momento marcante quando o corpo da menina começa a tomar forma de mulher, e ela se torna fértil. A cada ciclo menstrual pelo menos um folículo ovariano se desenvolve e passa a produzir hormônios. Na primeira fase do ciclo, predomina a produção de estrogênio, e na segunda fase (após a ovulação), predomina a progesterona. Entendendo esse mecanismo fica fácil entender por que somos chamadas "mulheres de fases". 

Essas variações dos hormônios femininos são responsáveis pelas mudanças no humor, na disposição e até na pele e cabelos que ocorrem a cada ciclo menstrual. Por exemplo, o estrogênio está relacionado à melhora na disposição, no humor e na libido, estimula a independência e a capacidade de planejamento. Já quando a progesterona passa a ser produzida em maior quantidade – o que ocorre após a ovulação, com objetivo de assegurar a integridade de uma possível gravidez – vai levar aos sintomas da famosa Tensão Pré-Menstrual (TPM). Isso explica a irritabilidade, baixa autoestima, sintomas depressivos e distúrbios do sono, típicos dessa fase. Além disso a pele fica menos brilhante, o cabelo fica oleoso, existe retenção de líquidos com inchaço e dor mamária, aumento do apetite e redução da libido. Quando não ocorre a fecundação há uma queda nos níveis dos dois hormônios femininos, e a camada preparada dentro do útero para receber o bebê começa a descamar, produzindo a menstruação.

A menstruação costuma se repetir a cada mês, com intervalos regulares. É normal que o ciclo menstrual tenha um intervalo com alguns dias de variação para mais ou para menos. Quando a menstruação ocorre em intervalos irregulares, é possível que existam alterações nos hormônios femininos como a síndrome dos ovários policísticos, causa comum de atraso menstrual. Em associação pode haver excesso de pêlos, acne e distúrbios metabólicos, como o pré-diabetes, entre outros. Nesse caso uma, avaliação clínica deve ser feita com realização de exames que irão confirmar o diagnóstico.

Quando o óvulo é fecundado ocorre a gravidez, outro período marcado por mudanças muito especiais.

Menopausa: Mais variações nos níveis dos hormônios femininos

O ciclo menstrual se repete a cada mês até que os folículos comecem a ficar escassos, abrindo caminho para a chegada da menopausa (data em que ocorre a última menstruação). Nessa fase, a mulher sofre novamente com as variações nos níveis dos hormônios femininos. A falta do estrogênio está associada a uma queda nos níveis da serotonina, que pode levar a distúrbios do humor. Começam as ondas de calor e ocorre uma mudança na distribuição da gordura corporal, que passa a se depositar mais no abdômen. Além disso o metabolismo fica mais lento, o que explica por que apesar de manter a mesma rotina de dieta e exercícios o peso aumenta.

As consequências dessas mudanças não são apenas estéticas, pois o aumento da gordura chamada "visceral" está associada ao aparecimento da resistência à insulina (maior predisposição ao Diabetes), aumento dos níveis da pressão arterial, do colesterol e dos triglicerídeos. Ou seja, enquanto não entra na menopausa, a mulher está mais protegida contra essas alterações metabólicas que na pós-menopausa aparecem com maior frequência, culminando com um aumento no risco de desenvolver doenças cardiovasculares – nessa fase essas doenças passam a ter um risco semelhante ao que ocorre nos homens. A falta do estrogênio também leva a uma perda progressiva de massa óssea (osteopenia e osteoporose), principalmente nos primeiros anos pós menopausa.

Atualmente as mulheres passam pelo menos um terço de sua vida na pós-menopausa, então cada vez mais é importante reconhecer as indicações precisas da reposição dos hormônios femininos, e além disso fazer a prevenção de todas as moléstias características dessa fase da vida.

*Daniele C. Tokars Zaninelli é médica e especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e atua como endocrinologista em Curitiba.